sábado, 14 de julho de 2018

Soneto pigmentado

Inventei uma cor
Jamais catalogada,
E que se bem explanada,
Pode ilustrar o amor:

Cor quente e fria,
Com variação constante:
Pigmento colorante
Que queima e dá hipotermia.

Essa cor primeiramente,
Não é melhor que as demais:
Ela colore somente

Os nossos ais,
De formas incoerentes,
De formas naturais.

Fabiano Favretto

Er...

Ar
Are
Arre!
Erra
Era
Er...

Fabiano Favretto

Não Bem

Não, meu sábado não!
O domingo tudo bem,
Mas meu sábado não!
Se tu não faz por bem,
Negam-te: sempre não!
Se tu age por bem,
Contigo será um não.
Hoje estarei bem?
Não, hoje não!

Fabiano Favretto

terça-feira, 10 de julho de 2018

Cor de Laranja

Cor laranja que gosto,
Mil sóis nesta cor acolhem:
É um sorriso que me socorre,
E a bonita luz em teu rosto.

Laranja, cor, tijolo, chão:
Cítrico paralelepípedo
Que resplandece vívido
Em constante ilusão.

Cabelos cor de laranja,
Cabelos que reluzem sempre!
Cabelos com beleza recorrente
Da ponta dos fios até a franja.

Laranja também é a vida,
Que em cor quente tem passado!
Laranja, tom adocicado
Com a cor da tua beleza vivida.

Fabiano Favretto

Mortos os ponteiros

Sobrevivi até as 18 horas
Para saber que não haveria
Vida alguma nos ponteiros
Do velho relógio da esperança.

Fabiano Favretto

Clichês

Case,
Tenha filhos,
Ame,
Tenha um emprego,
Trabalhe,
Financie sua casa.
Compre um carro flex,
Financie seu carro.
Envelheça,
Vá ao médico,
Compre uma TV grande.
Abra uma cerveja às vezes
E morra de tédio
Todos os domingos
Sentado em todo o clichê
Acumulado em suas costas.

Fabiano Favretto

Liberdade black friday

Estou fadado à toda liberdade,
Desde que esta seja adquirível
Nas lojas (a preço acessível)
Sem muita dificuldade.

Fabiano Favretto

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Eita essa Poesia

Eita essa Poesia,
Coisa difícil de escrever!
Só ela me alivia
Só ela me deixa viver!

Se a caneta corre
E versos norteia,
Minha vida socorre,
Minhas vistas clareia.

Poesia que é minha,
E que de mim faz parte:
É a derradeira vinha
De onde eu colho arte!
Fabiano Favretto


sexta-feira, 6 de julho de 2018

Ai de mim

Queria eu hoje
Estar fora de mim:
Poderia ser embriagado,
Em transe,
Em coma...
Queria eu hoje
Estar fora de mim,
Pois tenho hoje em mim
Todo o peso do mundo,
Do mundo que eu conheço.
Talvez não seja tão vasto,
E talvez não seja tão pesado.
Meu mundo é talvez
O bastante
Para me jogar de joelhos
E me derrotar.
Queria eu poder fugir
Para além
De minhas próprias barreiras!
Mas o mundo é uma esfera,
E se eu contorná-lo
Acabarei uma hora
No mesmo ponto.
Ai de mim!
A seleção perdeu,
O amor não veio,
E as vergonhas financeiras
Podem começar a surgir.
Ai de mim!
Queria eu hoje
Estar fora de mim,
Pois é ali fora
Que talvez 
A felicidade se encontre.

Fabiano Favretto

quinta-feira, 5 de julho de 2018

De-pressões

Tanto tempo de pressão,
Muito tempo depressão.

Fabiano Favretto

Pressões

Dois versos poderiam dizer uma explosão:
Quando o meu eu sai de si mesmo
Meu corpo não suporta a pressão.

Fabiano Favretto

quarta-feira, 4 de julho de 2018

alter-ego

Briguei comigo mesmo
E não me perdoei por isso.

Fabiano Favretto

Semente saudade

Semente de saudade plantada
Na terra do peito irrigada:
É saudade que germina,
A saudade vira muda.

Quem me dera, quem me dera
Colher os frutos, quem me dera!
Desta árvore que tanto cresce,
E na primavera me floresce.

Saudade cada vez mais forte,
Saudade é quase igual a morte.
Folhas da saudade ao vento balançam,
E na sombra d'ela pássaros cantam.

Saudade enraizada,
Em meu coração é eternizada.
Torço que neste frio inverno
Ela seque, me tirando do inferno.

Saudade, saudade que reina,
Se ela seca, sei que queima
Na lareira de um novo amor,
E devolve para mim meu calor.

Mas saudade, sua madeira é muralha,
Que sempre me atrapalha
E me priva de poder enxergar
Aquela que poderia me mudar...

Fabiano Favretto

segunda-feira, 2 de julho de 2018

Permanência

A existência
Precede a essência
A menos que
A ausência
Preceda tudo o que
De ti faz permanência.

Fabiano Favretto

domingo, 1 de julho de 2018

Diferente

Este domingo me limitou
Ao espaço de nenhuma interação.
O tédio que se instalou então,
O meu tempo apagou.

Cheguei ao estágio que sempre evitei:
Dormir! Dormir para sanar a ociosidade
(Livro algum pode fazer com sinceridade).
Como reduzir o vazio em que me achei?

Fabiano Favretto

sábado, 30 de junho de 2018

Demodê

Morrer de amor 
É tão ultrapassado!
Viver com amor
Me parece mais sensato.

Fabiano Favretto

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Para onde

Perdi minha sexta,
Não sei onde ela foi.
Sei que ela se foi:
Nesta noite não houve festa.

Fabiano Favretto

segunda-feira, 25 de junho de 2018

Pena de morte

A morte é a pena
Que cai quando
O vento do tempo
Para de soprar.

Fabiano Favretto

Madeeeeeeeeeeeeira

Um grito em meio às árvores
É mais silencioso
Que uma árvore em meio aos gritos.

Fabiano Favretto

Prefixos

Meu coração é cheio de prefixos,
Que vão opondo DESamor e DESabrigo;
Há aqueles que quando vão me afastando, 
Vão ao mesmo tempo acabando comigo:
Me DESmascarando, me crucifico.
Prefixo A gosta de me negar:
Quando quero assim me afogar,
Tento me jogar no mar.
Se coloco A na frente,
Não me resta prefixo, me resta Amar.

Fabiano Favretto

A forca

Saturno tem menos anéis
Que os dedos de suas mãos.
Tem agora em seu coração
Veneno de mil cascavéis.

A lua reflete menos luz
Do que seus olhos bonitos.
Tem mais tempo que o infinito
Tem uma boca que seduz.

Tenho mais água na boca
Do que tem água no mar,
E tenho mais medo de te amar
Do que medo de ir à forca.

Fabiano Favretto


Mentirinhas

Eu não sei mentir
Que eu sei mentir muito bem,
E minto que te amo também
Só para te ver sorrir.

Fabiano Favretto

terça-feira, 19 de junho de 2018

Papo com E.T's. ou seres deste e outros mundos #1

- Se eu te dizer que vou pra biqueira, ou se vou pra Saturno, pra qual lugar acha que eu vou?
- Não faço ideia...
- Mano, eu falo em códigos, entendeu?
- Cara, não sei mesmo.
- Eu vou pra biqueira fumar uma pedra e de lá vou pra Saturno, manja?

Fabiano Favretto

domingo, 17 de junho de 2018

Homo Sapiens Fracassus

Fracasso como homem,
Fracasso como bicho.
E agora, como faço,
Me encaixo em qual nicho?

Fabiano Favretto

Poeta morre sozinho

Talvez tenha começado
A escrever poesia
Para justificar esta solidão
E também esta sina
Que me acompanha até então:
Poesia é minha mera justificativa
Para remoer toda esta situação,
E rir/ chorar de minhas amarguras,
Que sempre me atiram ao chão.

Estou a apenas um passo
De considerar-me poeta,
Para que de forma completa
Eu não assuma todo meu fracasso.

Fabiano Favretto

Soneto de toda sombra

Acaba mais um final de semana,
E com ele, minha vontade de viver,
Pois não tive nenhum momento de lazer
E agora meu peito só reclama.

Roubastes, sim, minha vontade
E pela falta desta, sinto remorso.
Mais uma vez assim me torço
Por achar que é dura a verdade.

Pareces bonita neste domingo,
E alheia à culpa alguma;
De ressentimento não tem um pingo,

E eu aqui nessa penumbra!
Esse domingo agora findo
Imerso em toda sombra.

Fabiano Favretto

sábado, 16 de junho de 2018

Somente nãos

É visto que não posso contar
E é visto que a presença faltaria,
Pelo fato de que não podes acreditar
Que eu sou uma boa companhia.

De todos os convites que aceitastes,
A nenhum honrou com sua presença.
Me deixou sem chão, me quebrastes
Sem se preocupar com o que aconteça.

Estou hoje deveras magoado
Pela sua falta de consideração.
Estou agora meio frustrado

E por isso, de antemão,
Te darei o recado:
De mim terá somente um "NÃO".

Fabiano Favretto

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Não tenho escolha

Vou procrastinar meu amor
Para o próximo dia dos namorados,
Pois esse ano estou ocupado
Armazenando todo o meu rancor.

Vou procrastinar minha paixão
Para o próximo dia de São Valentim,
Pois no momento não vejo para mim
Qualquer possibilidade além do caixão.

Vou procrastinar meu romantismo
Para a próxima data comercial,
Pois agora só vejo o cinismo;

Vou procrastinar esse tom nupcial
E evitar tanto consumismo:
Melhor esperar o carnaval.

Fabiano Favretto


Narciso enamorado

No espelho,
Eu namoro no espelho!
No reflexo do espelho
Que eu me vejo
Eu namoro.
E de nada mais o reflexo
Me interessa como eu mesmo,
Pois eu me namoro
E minha imagem eu amo.
Minha imagem eu namoro
E no espelho eu me amo.

Fabiano Favretto

domingo, 10 de junho de 2018

Futuro diálogo

O tempo para nossa primeira conversa
É hoje!
Mas o tempo para a minha coragem
É talvez amanhã.

Fabiano Favretto

Garota intensa

Garota imensamente intensa
Que em suas fotos me aparece,
E a mim tanto enlouquece
Por eu querer que me conheça.

Garota intensamente linda
Que em suas fotos, tatuagens vejo.
Vê-la pessoalmente é um desejo
Que agora não me finda.

Garota mais do que bonita,
Sua ausência é injusta:
Por tu me parecer infinita,

Por viver sem aquilo que ofusca,
Por ofuscar a estrela que conflita
E deixar esse desejo que me assusta.

Fabiano Favretto

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Fases

Não acerto as crases,
Não acerto as frases:
São todas elas "quases";
São todas elas fases.

Fabiano Favretto

quarta-feira, 6 de junho de 2018

Força invisível

Oh centelha divina de esperança,
Sinal de celular que me afasta do ostracismo
E proporciona o acesso à rede
Para eu poder ver conteúdo irrelevante,
Permanecei aqui!
Sinal invisível que me anima,
Afim de possibilitar o uso do Whatsapp,
Não saia daqui!
Sem internet não há mundo,
Sem internet, tampouco há vida!
Afastai-me daqueles que vivem à sombra
Das verdades alheias ao Facebook.
Afastai-me daqueles que vivem
Suas vidas miseráveis
Sem qualquer like ou comentários
Em seus status!
Que todo wi-fi abençoe
E encha a casa
De conteúdo pífio
E fakenews.

Amém

Fabiano Favretto

terça-feira, 5 de junho de 2018

Tocante

O violino tocante
Agora neste tempo,
Me dá ar neste instante
E também me dá contento.

O som, um paradoxo,
Faz minha existência se esvair,
Não de modo ortodoxo
Ao fazer meu peito contrair.

As cordas e o arco,
Falta saliva em minha boca!
Neste rio musical, um barco,
Navega sôfrega a minha voz rouca.

Fabiano Favretto

Sonos e monstros

Não há razão.
Os monstros
Que em mim habitam
Se criam
À penumbra de minha lucidez.
O sono da razão
É a liberdade
De todas as feras
Que de mim são feitas.
O sonho da razão
É a meta que não alcanço,
E meus fantasmas
Se aproximam
Enquanto desfaleço.
Sobre esta mesa,
Meu corpo é inerte
Assim como meus pensamentos.

Fabiano Favretto



segunda-feira, 4 de junho de 2018

Desde que

A felicidade se encontra do outro lado da ponte,
Desde que ela não caia.

Fabiano Favretto

Este é um deles

Alguns poemas meus
São carne moída:
Servem somente
Para eu encher linguiça.

Fabiano Favretto

Ais as

Ideais,
Ideias.
Jamais
Tolas.

Fabiano Favretto

As ais

Ideias,
Ideais.
Tolas?
Banais.

Fabiano Favretto

Banquete e subterfúgio

Colocaram minha cabeça
Em um prato de prata
E em volta dela, meus pensamentos!
Nunca poderia achar
Que se comiam ideias
E de sobremesa, ideais.
Meu cérebro com gosto degustado 
Foi em mordidas breves acabado.
Não restando nada mais,
Devolveram minha cabeça
Livre de qualquer ímpeto.
Agora desses vazios banais,
Espero que a teimosia apareça.
Afinal, cabeça vazia
É oficina do capeta?

Fabiano Favretto


Nada a ver

Minha face
Tão defronte
Ao espelho
Explícito,
Explicitamente
Recuava
Ao reflexo
Convexo
Da minha
Retina
Que desatina
E não vê:
Nada a ver.

Fabiano Favretto

sexta-feira, 1 de junho de 2018

Cabelos, Rancores, Unhas, Raivas, Barbas e Ódios

Cabelos crescem
E às vezes caem;
Rancores crescem
E não se esvaem.
Unhas crescem
E são cortadas;
Raivas crescem
E são alimentadas.
Barbas crescem
E as aparam;
Ódios crescem
E não acabam.

Fabiano Favretto

Nunca fizeram

De contrastes e Destinos
Meus poemas
Não fazem sentido.

Fabiano Favretto

Vela Sol

Vela
Sol.
O vento
Assopra,
Apaga
Vela
Sol
Com
Uma
Nuvem.

Fabiano Favretto

Shit, but Gold

Merda e ouro.
Tão diferentes,
Tão parecidos:
Há quem mate
Por qualquer merda,
Há quem faça merda
Por qualquer ouro.
Merda para uns,
Ouro para outros.
A merda do vizinho
É sempre mais dourada.
O ouro do vizinho
É sempre uma merda.
Merda é ouro,
Ouro é merda.

Fabiano Favretto

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Misturas

Para a garota com flores no cabelo

Misture o tom da flor
Ao tom de teus ruivos cabelos,
Pois ambos tons são tão belos,
Tão belos como o amor.

Misture o tom de teu olhar
Ao tom de minha boca trêmula,
Que finos (ledos?) versos simula
Afim de poder te agradar.

Mas não misture o tom de tristeza
Que tens carregado até então,
À tua tão nobre delicadeza

Pois nesse seu coração
Não poderá caber com certeza
Maldade, nem solidão.

Fabiano Favretto

terça-feira, 29 de maio de 2018

Fontes alternativas

O alto preço de você,
Meu combustível,
Fez com que eu buscasse
Fontes alternativas
Para abastecer
Meu coração.

Fabiano Favretto

Métricas

Minha produção Literária
É proporcional
Ao meu sofrimento,
Não de maneira arbitrária,
Mas equacional
Ao meu desalento.

Fabiano Favretto

Inconsistência

A inconsistência do meu mês
Foi tamanha e desenfreada
Que parece ter passado mais de uma vez.

Fabiano Favretto

Gritos

Que nenhuma boca se cale por força,
Que nenhuma boa ideia seja suprimida.
Que os campos ainda tenham flores
E que a liberdade seja garantida!

Que o fraco seja fortificado,
E que o faminto não passe fome.
Que a força seja somente um estado
Para avivar a liberdade do homem!

Que nenhuma intervenção possa prender
A voz que a nós é garantida:
Não poderão para sempre repreender
A voz que em nosso peito está contida!

Que os canhões atirem ferro e brasas,
E que o estouro seja alto e derradeiro!
Poderão atirar todos, mas não cortar as asas
De quem tem voz e alma de guerreiro.

Que nada altere o direito
De falar o que o pensamento instiga...
Poderão eles querer nos calar, com efeito,
Mas sabemos que acabará em briga!

Que nenhum grito se contenha
Por forças externas em represálias.
O brado da liberdade se engenha
Porque a dor já não é necessária.

Fabiano Favretto


Silêncio

Quero o silêncio,
Mas não o silêncio derradeiro.
O silêncio que será meu,
Não será por motivos terceiros,
Mas por querer tê-lo
Indiferente daquilo que é seu.

Fabiano Favretto

quinta-feira, 24 de maio de 2018

Voodoo de Grilo



Me encontro entre alfinetes:
Como é que me inspiro?
Não procuro mais tanta gente...
Me fizeram um voodoo de grilo.

Minhas 6 patas não mais as sinto,
E minhas antenas foram arrancadas.
Não resultará em coisa boa - pressinto;
O que acontecerá quando vier a madrugada?

Estou num retrocesso metamorfósico
Que de inseto estou virando humano,
Dotado de alma sem propósito
Revertendo o estilo kafkiano.

E agora tenho mãos tão estranhas
Que tocam pessoas, mas não me tocam
Por serem singularmente vazias
E assim meus interesses se chocam!

Me encontro entre gentes
E não me sinto nada tranquilo...
A vontade de fuga vem eloquente:
Me fizeram um voodoo de grilo.

Fabiano Favretto



domingo, 13 de maio de 2018

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Sossego

Meu pé está gelado,
Também minhas mãos e braços.
Meu peito está gelado!
Estarei eu morto?
Ou estarei somente
Um tanto sossegado?

Fabiano Favretto

terça-feira, 8 de maio de 2018

domingo, 6 de maio de 2018

Pra pqp

O amor não existe,
O amor nunca existiu.
Se acaso você discorda,
Vá pra puta que o pariu!

Fabiano Favretto

Soneto do iludido

Você foi miragem
No meu deserto escaldante,
Como um oásis delirante:
Me deu até coragem.

Corri como um iludido
Afim de tuas águas encontrar.
Não foi de se admirar
Que fiquei tão deprimido.

É normal na carência
Esquecer-se de viver,
E viver fora da ciência

De que preciso ter
Para arrumar paciência
Para poder te esquecer.

Fabiano Favretto

Soneto do alucinado

Enquanto toda esta pátina
Está envolvendo meu coração,
(Por causa da saudade, em ocasião)
O tempo da vida amarela toda página.

Não sou capaz de submeter-me
A mais um domingo sombrio,
Sem que esteja definitivamente ébrio
Afim de não sentir-me um verme.

Perante toda a indiferença,
E durante todo esse estado
Não tenho nada que me convença

Fugir desse sentimento desesperado
Que talvez (com certeza) me vença,
Me deixando ainda mais alucinado.

Fabiano Favretto


Tédio recorrente

Tédio que se instala
No meu peito
Na minha sala
De um jeito
Que me abala

Fabiano Favretto

quarta-feira, 2 de maio de 2018

Manuscrito da vida

Do livro que possuo derradeiramente,
Você é a mais bela iluminura
Que me encanta de forma eminente
E sana meu triste problema de leitura.

Fabiano Favretto

domingo, 29 de abril de 2018

De frente

Encarei este domingo de frente
Porque sei que não seria diferente
Mesmo estando tão doente
Não escaparia a um domingo deprimente.

Fabiano Favretto

Quem será?

Se eu pudesse escolher
Quem eu sou,
Quem eu seria?
Ou melhor,
Se eu pudesse escolher
Quem eu seria,
Quem hoje eu sou?
Se eu pudesse escolher
Ser qualquer um
Além de eu mesmo,
E encontrasse alguém
Que seria
Igual hoje eu sou,
Olharia em meus próprios olhos,
Ou desviaria os olhos
Para o chão?
Se eu pudesse escolher
Quem eu seria,
Poderia outro
Escolher ser
Quem eu sou?
Hoje somente sou.

Fabiano Favretto


segunda-feira, 23 de abril de 2018

Calamidade

Por que de um minuto ao outro
Meus sonhos que em largos tempos
Demorei infundir (reprimindo contentos),
Se esvaem como poeira ao vento?

É tanta derrota que um tropeço
E um dedo rachado são apenas 
Mais um episódio tosco
Da minha vida de amenidades.

Fabiano Favretto


A garota com quem sonho

A garota certa para mim
Certamente virá algum dia,
Ou será que eu deveria
Procurá-la até o fim?

Ah, a garota perfeita
Que me fará feliz...
Algo aqui me diz
Que para mim ela foi feita.

A garota com quem sonho
Não sei que rosto terá,
Mas a mim mesmo proponho

Que meu coração a acolherá,
E não haverá nada de estranho
Pois surgir o nosso amor irá.

Fabiano Favretto

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Sem música

O tango nunca dançamos
E a valsa não valsamos
Afim de tramar a trama
Que nunca tramamos.

Fabiano Favretto

Soneto Inconsciente

Estou acumulando
A necessidade de destruição
A entropia, inanição
De tudo que está chegando.

Big bang
De meu cérebro na calçada
De meu estômago na calçada
De meu coração na calçada:

Tenho mais órgãos
Cá fora, no chão,
Do que em mim.

Preciso de mais espaço
E agora são as palavras que saem...
Mas estas nunca acabam!!

Fabiano Favretto

Dimensão alheia

O inferno dos alienados
É o paraíso
De quem está disposto
A pensar.

Fabiano Favretto

quinta-feira, 19 de abril de 2018

E que o prazo de devolução seja mais que uma semana

Cada poema perdido
É uma alma que não se salva.
Cada poema lido
É uma alma que se corrompe.
Ora, meus irmãos,
Espero que no inferno
Existam muitos livros.

Fabiano Favretto

Falta de fé

A todo momento digo adeus
A todo momento digo a Deus
Leve-me!
Leve-me!
Estou aqui ainda.

Fabiano Favretto

Ontem tão presente

Por dentro estou podre
Igual a um pinhão
De casca rubra reluzente.
Comigo ninguém pode
Ter compaixão
Por não estar só doente.

Por dentro estou morto
Igual a um caixão
De madeira rubra reluzente.
Comigo não me importo,
Não tenho condição
De encarar o meu presente.

Fabiano Favretto

Sertão coração

Um ser tão desprovido de graça.
Um ser tão provido, desgraça.
Um sertão desprovido de graça.
Um sertão provido desgraça.

Fabiano Favretto

Outra estação

Caminhar entre tanta gente
Caminhar sozinho entre esta gente
Que não olha nos olhos,
Que olha somente para o solo.
Em meio a tanto movimento
Pessoas saem, pessoas só saem
E não saem de seus mundos
Tão necessáriamente individuais.
Por dentro, sou uma árvore
Com galhos secos,
E é inverno aqui fora.

Fabiano Favretto


segunda-feira, 16 de abril de 2018

Rugidos castanhos

Para Kauane

As histórias da terra
E seus olhos castanhos
Não soam estranhos:
São flechas numa guerra.

Não fosse esse mar de gente
Ou essa falta de serenidade,
Talvez a tua (ou minha) ansiedade
Não fosse tão aparente.

Há quem diga que o tempo nos mate,
Há quem diga que o vento nos chame.
Há laços que pelo sangue desatem,

E laços alheios para que se ame.
Olhos, me olhem ou me enganem!
Tens aquilo que em meu peito brame.

Fabiano Favretto

sábado, 14 de abril de 2018

Vais ia

Se vazia
A vasilha,
Se esvazia
Se ilha.

Fabiano Favreto

Soneto da vida vazia

Mais uma vez acabo
Numa noite sozinho,
E o som do vazio
É que me dará cabo.

Não tenho forças,
Não tenho esperança:
Não haverá mudança.
Haverão forcas?!

Não haverá madrugada
Não haverá noite ou dia,
Não haverá alvorada

Nessa vida vazia
Cheia de nada
Haverá poesia?

Fabiano Favretto

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Não vi nenhum gato preto

Doce sexta 13
Doces 13 sextas
13 sextas doces
Sextas, doce 13

Fabiano Favretto

Talvez depois eu entenda

Não sabia se era prisão
Ou se era saudade.
Não sabia se era um não
Ou se era liberdade.

Fabiano Favretto

segunda-feira, 9 de abril de 2018

Casquinha com duas bolas

Tão líquido nosso amor,
Sua frieza faz
Picolé do meu sangue,
Gelatina do meu cérebro
E sorvete do meu coração.

Fabiano Favretto

segunda-feira, 26 de março de 2018

Roll

Toda Pedra
Quebra.
Toda Queda
Engendra
Uma brecha
Para aquela
Pedra
Poder rolar.

Fabiano Favretto

Choremos

A falta de sensibilidade
Que ainda nos falta
É a ferida mais alta
A assolar a realidade.

Quais pedras brutas,
Não lapidadas por medo
De sucumbir ao enredo
Dessa sociedade fajuta,

Queremos mostrar coragem
E afirmar o que não queremos,
Para que não nos reparem

Em meio à tantos erros.
Faço um apelo sem ultraje:
Homens, agora, choremos.

Fabiano Favretto

sábado, 24 de março de 2018

Escrita à lápis

Poesia é a minha
Carta de alforria.

Fabiano Favretto

Diálogo

- E aí filho da puta! Beleza?
- Faaala se pau no cu! Firmeza?
- Há quanto tempo seu arrombado! Como vai a família?
- Vai bem, seu lambe saco. E a sua?
- Bem também! To meio com pressa... preciso ir. Falou, seu cuzão!
- Abraços, seu bosta. Apareça sempre!

Fabiano Favretto

Ensinando

A ressaca
É a minha
Realidade.

Fabiano Favretto

Aprendendo

A ressaca
É melhor
Que a minha
Realidade.

Fabiano Favretto

De olhos fechados

Na mesa todas as armas que me matariam:
Uma faca, um revólver e um retrato seu.

Fabiano Favretto

Favores

Afinal qual o propósito dos dias,
Senão passarem para encurtar a nossa vida?
Cada dia é um novo favor.


Fabiano Favretto

Etílico

Poderia ser whisky, ou então
Cachaça neste sábado.
Tomaria vodka de bom grado
Ou cerveja de litrão.

Por favor não me deixe
Ficar sóbrio esta noite,
Quero destruir minha mente,
Até que meu fígado se queixe.

Poderia tomar catuaba, jurupinga,
Corote ou o diabo que o valha!
Quero queimar como fogo de palha
Morrer dentro de um copo de pinga.

Só não me deixe pensar essa noite
Na minha vida miserável,
Quero fugir da realidade implacável,
Escapar desses malditos açoites.

Quero derreter literalmente
Entre substâncias etílicas degradantes,
Que me tornarão de maneira deliberante
Um ser sem dignidade, um demente.

Fabiano Favretto 



Abala na cabeça

É mais uma noite de sábado
E tenho em mim mais uma ausência
De qualquer tipo de essência:
Aquilo que deveria ter acabado.

Mais uma angústia que se instala,
Em meu peito neste tempo presente.
Poderia então de modo diferente
Resguardar-me de tudo que me abala?

Não sei mais o que é tato,
Ando hoje tão sozinho;
Meu coração só vê maltratos,

E de modo mesquinho
Não resultarei acabado
Sem ter de ti um pouquinho.

Fabiano Favretto

quinta-feira, 15 de março de 2018

Só se for, senão, não

Se for me matar,
Me mate direito:
De maneira elementar,
De jeito perfeito

Para eu não mais voltar
E assim não mais querer
Ir te procurar,
Buscar te ver.

Me mate a pedradas,
Me mate atropelado;
Não por falta de palavras

Por ser cruel este estado
Por seu silêncio ser cilada
Por eu ser um desgraçado.

Fabiano Favretto

Frasco

Tomastes de mim
Todo sentimento de revolução
E deixou aqui somente
O ódio e a falta de argumentos.
Antes era frasco vazio,
E agora cheio de veneno
Darei de beber à toda alma
Que em mim procurar um pouco
De amor e zelo.

Fabiano Favretto

Ciclo

Por favor, parem
Parem de roubar meus dias,
Dias que seriam bons
Bons mas ainda dias.
Dias que podem matar,
Matar e não deixar morto.
Morto eu não viveria,
Viveria talvez um dia:
Dia que vocês saberiam,
Saberiam até onde ir
Ir até eu pedir por favor.
Por favor, parem...

Fabiano Favretto

segunda-feira, 12 de março de 2018

Retrato 1x1 (ou França, L e Dor)

És agora um retrato
Sorridente de 1x1 centímetro,
Que eu vejo quando me desintegro
Ao procurar erros ortográficos
Em meus poemas postados.
Tu talvez nem os lê mais,
E agora tanto faz.
Você, retrato mudo,
Deve rir como jamais
Fez nesse mundo
Quando vê que escrevi
Amor com F de França
E dor com a letra L.

Fabiano Favretto

Hereditário

Hereditário
O meu sofrimento
De um amor
Ao outro.
A dor transplantada
Por herança
Genética
Sanguínea
Cutânea,
A dor
Herdada
Completamente
De maneira caótica
Mas não aleatoriamente
Somente pelo coração.
Queria eu
Ter herdado
Problema
Cardíaco
Fulminante
Daqueles
De se esquecer
Da dor
Do amor.

Fabiano Favretto



Hematoma

Poesia
Pomada
Passa
Por nada

Fabiano Favretto

É impossível

É impossível ter conhecimento
Do próprio ímpeto com relação à dor,
Pois somente se ao limite você for
Saberá o que acontecerá em tal momento.

É impossível regrar-se pelo que dizem
Pelo fato de que nem toda palavra é verdade.
Nem toda fuga, todavia é ato covarde
E nem todas as leis nesse tempo se condizem.

É impossível viver sem desordem
E é necessário aprender com o caos,
Pois quem é que manterá a ordem

Em tempo que a face de todo o mal
Do coração de cada um eclode
para levar-nos a um duro final?

Fabiano Favretto

Asas

Para Tamiris

Escolha seu par de asas
E mergulhe no infinito.
Faça todo voo que te foi privado,
Até a liberdade tornar-se tua casa.

Fabiano Favretto

sábado, 10 de março de 2018

Vê se reza

Rezou por mim?
Estou precisando.
Na próxima vez que você for
Na missa
No terreiro
No culto
Na sinagoga,
Vê se reza por mim,
Estou precisando.

Fabiano Favretto

quinta-feira, 8 de março de 2018

Feliz dia da Mulher!

Do que é feito a mulher? Decerto de matéria desconhecida, sem forma nem volume, mas alheia à toda fraqueza.
Como definir a mulher? Nós homens não podemos, pois as mulheres se definem por si próprias - elas não precisam de alguém que as defina, afinal.
O que pensa a mulher? Eterna incógnita, o que pensam vai além da compreensão limitada do homem.
O que é a mulher? A soma de tudo que é luta e força, resistência e amor.

Fabiano Favretto

Feliz dia da mulher, e obrigado por fazer o mundo mais Bonito!

domingo, 4 de março de 2018

1x1

Neste domingo eu me traí
Por não ter sido feliz de fato
E porque não tive nenhum tato
E de minha dor eu não saí.

Me deixei vencer por ser fraco,
E me tornei fraco por tristeza.
Afinal, nem tudo é nobreza:
Me atiro em direção ao fracasso.

Não pude sair incólume
De toda pressão emocional
Que em mim se assume

De maneira tão fatal
Que me consome
Pra sempre, etc e tal.

Fabiano Favretto

Certamente

Queria mais uma vez
Que você me abraçasse
Com suas pernas,
Igual aquele enlace,
Que muito bem você fez.
Assim quando eu entrasse
Te faria mulher novamente,
Faria com que você me amasse
Te daria prazer permanente
Te conhecendo profundamente
Até que você sorrisse
Pedindo sempre mais.
Você teria certamente.

Fabiano Favretto

Borboletas

Para ter borboletas 
No estômago
Precisa-se engolir
Muitas lagartas.

Fabiano Favretto

quinta-feira, 1 de março de 2018

Todo dia

Todo dia é novo
E todo dia de novo
Novidades nos aguardam
Do mínimo ao máximo
Do subjetivo ao palpável.

Fabiano Favretto

Já é março!

Já é março!
Já finda o primeiro dia
E hoje já é março!
Eu juro que não sabia
Que hoje já é março!

Fabiano Favretto

01/03/2018

Viver é necessário
Porque a morte é inevitável.
Como é louvável
O bonito canto do canário

Que canta por poder voar,
E canta por sua essência
Sem dor nem ciência
Que sua vida pode acabar.

E como tal canário
Hoje eu vivo a cantar
Independente do cenário,

Pois sei que para voar
Não é muito necessário,
Só basta acreditar.

Fabiano Favretto

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Biela solta

As manchas de gasolina
No asfalto em dia de chuva,
São o arco-iris involuntário
De um motor já cansado.

Fabiano Favretto

Acabado

Trem descarrilhado
Tambor descarregado
Carro desgovernado
Cão abandonado
Amor acabado
Acabado

Fabiano Favretto

Meios meses mesmos

Esse mês,
Eu quase venci o mês;
Eu quase venci eu mesmo
E quase toda a mesma mesmice
Desses meses meio mesmos
Repletos de verdades metades
E misérias mistas de medos.
Meses meios, medos mesmos.

Fabiano Favretto

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Em boa companhia

Hoje eu vim
Beber sozinho.
E vendo assim,
Não sofri
Nem um pouquinho.

Fabiano Favretto

Decisão

A decisão mais difícil
Dessa noite,
É se peço 
Minha vida novamente
Ou um chopp.

Fabiano Favretto

Afta

Com o whisky
Minha afta dói!
Mas dói menos, acredite
Do que a saudade que corrói!

Fabiano Favretto

Na janela

Na janela a loira,
A loira na janela.
A loira bela
E no sereno a loira.
A loira no sereno,
Pela janela.
Pela janela, olhos belos
Da loira na janela
Em noite tão bela.

Fabiano Favretto

Mais astuto

Mudei para a mesa
À esquerda
De onde antes ficamos
E muito nos beijamos.

Você pediu cerveja,
E aquele dia eu dirigia.
Eu pedi um suco,
E hoje, mais astuto,

Pedi um whisky.

Fabiano Favretto

Balcão

O balcão não foi feito
Para abrigar escritores:
É muito alto para as frases
E muito visível (com efeito).

Fabiano Favretto

Fatídica noite

Fiquei ao lado da mesa
Da qual fatídica noite ficamos
E achei um tanto estranho;
Teu corpo foi a sobremesa.

Fabiano Favretto

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

1x0

Nesse dia que acabou de acabar
Obtive sucesso em meu resultado,
Exceto em um estágio do meu estado
Por querer me auto-sabotar.

Mas parei e consegui resistir.
Mostrarei quem mandará, de antemão:
A felicidade terá prioridade então
E não haverá chance de eu desistir.

Poderão meus pensamentos me trair;
O tentam a todo momento, te digo.
Mas não os deixarei conseguir

Porque o que a mim prometi, consigo,
E assim não me deixarei ir
Para qualquer tipo de abismo.

Fabiano Favretto

terça-feira, 13 de fevereiro de 2018

Hoje coloquei fim no fim

Amanhã vai ser outro dia,
Sem medo nem rancor,
Porque eu me verei com amor
Diferente de como antes eu me via.

Porque o meu eu não suportava
A minha imagem no espelho,
Hoje perfeitamente eu vejo
O quanto a dor me cegava.

Fechei a porta para o amor ruim
E abri a porta para eu me gostar,
Para eu poder dar mais valor à mim

E a todas as antigas mazelas superar!
Terá no dia de hoje o fim
Dos sofrimentos que eu quis tanto passar.

Fabiano Favretto

Só mais hoje

Te amarei somente hoje, derradeiramente.
O meu coração já não te é suficiente
Porque temos agora a distância somente
E sei que a dor é só minha, infelizmente.

Hoje é o último dia
Que de ti sentirei saudade,
E essa falta, minha ansiedade
Não mais me causará angústia.

Te amarei neste feriado,
Sozinho e em silêncio.
Te amarei fantasiado

Com sorriso (um exercício).
Meu último amor resignado:
Será o fim de você, meu vício.

Fabiano Favretto

domingo, 11 de fevereiro de 2018

sábado, 10 de fevereiro de 2018

Aluga-se

Alugo casa:
Não é coração de mãe,
Mas tem bom espaço:
Possui 4 peças,
Para melhor acomodação.
Não tem vizinhos
Que incomodam,
Nem um síndico
Que encha o saco.
O valor do aluguel
Não é muito caro,
Basta querer morar
E cuidar bem da casa.
A localização
É relativamente boa,
Com visão para balões
Cheios de ar.
Casa decorada com poesias
(podem variar de acordo
com o inquilino).
Se cuidar bem, gostar de ficar
E ficar bastante tempo,
Permito usucapião,
Porém, se não cuidar bem da mesma,
Poderá ser removido à força.

Fabiano Favretto

Ponto Final

Por que o amor não é assim
Igual às palavras escritas?
Somente se assemelha à elas
Porque nele tudo tem um ponto
(o pior é aquele que fica no fim).

Fabiano Favretto

Sei lá

Sei lá o que falar.
Acho que ando meio
Deixando a desejar.

Fabiano Favretto

Limbo emocional

Estou ainda
Nesse limbo emocional,
Que não finda
E é sempre igual:
Não é paraíso,
Não é inferno
Nem verão
Nem inverno
Parece apenas
(digo de antemão)
Eterno.

Fabiano Favretto

terça-feira, 6 de fevereiro de 2018

Reflection, azia, inferno

"O Inferno são os outros"
Mas...
"Eu é um outro"

Fabiano Favretto

Mas é malvada

E se eu for
O teu delírio 
Autoconsciente
Com propósito
De ser torturado
Para compensar
As suas penas?
Não, você não é
Criativa assim.

Fabiano Favretto

Morfina

Cheguei no meu limite
Repleto da metafísica dos dias
Onde as minhas idiossincrasias
Me faltaram com o apetite.

Cheguei no estágio deprimente
Alheio à toda náusea,
Porque sei que ela
Não me é mais suficiente.

E aqui permaneço desperto
Como se nada importunasse
(Exceto se minha garganta não apertasse)
Por não ter alguém por perto.

Fabiano Favretto

Adstringente

Não me basto
Em mim mesmo;
Eu sempre esmo
De mim me afasto.

Não posso ser feliz comigo,
Não sei em mim ver felicidade.
Sendo feito de ansiedade
Não sei ser o meu amigo.

Não me completo
E me amar não posso
Por ser um poço
De desafeto.

Não me estimo,
E não me gosto;
Se vejo meu rosto
Me desanimo.

Deus, eu não me amo
Como poderei amar alguém
Se nem mesmo me convém
Aceitar o meu âmago?

Fabiano Favretto

Dia após dia

Dia após dia
Agonia:
O grito
É mudo,
As mãos
Cegas
E os olhos
Alheios.

Fabiano Favretto

Saudade Ansiedade Sozinho Mesquinho

Saudade
Ansiedade
Sozinho
Mesquinho
Saudade
Ansiedade
Sozinho
Mesquinho
Saudade
Ansiedade
Sozinho
Mesquinho
Saudade
Ansiedade
Sozinho
Mesquinho

Fabiano Favretto

segunda-feira, 5 de fevereiro de 2018

Não-opcional

Solidão não é coisa opcional:
É necessária a ausência
Das pessoas
Para poder tê-la afinal.

Fabiano Favretto

Nova diretoria

Da próxima vez,
O cérebro deverá
Coordenar a missão:
Estou cansado
Dos fracassos
De meu coração.

Fabiano Favretto

Uma das desculpas

Por que buscar inspiração,
Se as palavras são
A minha maior desculpa
Para tentar te esquecer?

Fabiano Favretto

Quem sabe, autodidata

O canarinho
Sabe escrever
A melodia de seu canto,
Ou conseguiu aprender
Tudo sozinho?

Fabiano Favretto

Refletido

Estou esperando o Sol
Descer ao horizonte
E iluminar meu rosto;
A luz do Sol em meus olhos
Será o último brilho
Que neles verá!

Fabiano Favretto

Um dos monstros

Esqueci qual era
A definição de felicidade
Pois esta minha saudade
É minha maior quimera.

Esse monstro que em mim habita
Desistiu de corroer-me,
E agora até decidiu socorrer-me
Ao saber que assim meu fim evita.

Fabiano Favretto

Perfume

Todo perfume de mulher
É um penar para meu olfato
Porque assim, de fato,
Faz tua lembrança aparecer.

Fabiano Favretto

Rima e dor.

Há poesia sem tristeza?
Existem rimas sem natureza?
Não tem dor sem amor,
Não tem amor sem razão!
Não há verso que preencha
Toda a falta que você me faz.
Não há nada que me convença

Repelir a dor que você me traz.

Fabiano Favretto

Sabemos

Sabemos que são todos
Perfeitos neste "mundo" social,
Todos tão sorridentes, felizes.
Não minto, eu quis
Participar desta rede
E à medida que me virtualizava,
Meu ego tornava-se inflado,
E o gosto da realidade
Mais amargo.
Há hoje vida sem internet?

Fabiano Favretto

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

Não se engane

Pensei que não seria possível
Nem que você disso gostaria,
Mas me enganei, então te diria
Para prestar atenção o máximo possível.

Você está começando a me perder,
E cada silêncio é um avanço,
E cada dia distante eu me canso
Por sentir sua falta e nao lhe ter.

Sim, está me perdendo aos poucos,
Por isso digo: cuidado!
Se é isso o que tem como planos,

Tudo bem, é do teu agrado,
Mas se for assim um engano
Não se engane de modo demasiado.

Fabiano Favretto

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Capitular

Quero ser o livro definitivo
Que você lerá por toda a vida;
Serei palavra por sua boca proferida,
Serei o seu índice, a trama e o epílogo.

Serei a letra "A" capitular
Para começar o parágrafo com amor.
Não terei em meus versos rancor,
Farei das minhas linhas o teu lar.

Serei a rocha de teus olhos,
Onde os mesmos repousarão seguros,
E encima dela, irá olhar sobre os muros
Que te cercam de orgulho.

Eu serei a tua leitura de mundo,
Onde viajará sem pagar passagem,
E saberá que esta viagem
Te fará querer ir mais fundo.

Eu serei a história que você viveria
Se quisesse ser feliz realmente,
Embora sei que no fundo você somente
Procura alguém que de verdade a amaria.

Eu serei os versos de amor que nunca ouvistes
E serei a terra virgem que tu nunca pisou
Afim de que possas dizer que esta terra conquistou,
Ao passo que navegando em rimas o amor descobristes.

Serei os versos doces que procuras,
Mesmo que minta gostar do fel amargo;
Deixarei para ti meu amor sem embargo
Afim de que eu possa ser sua eterna aventura.

Fabiano Favretto