domingo, 9 de setembro de 2018

Fome de vida

Fome de vida
Que de mim foi tirada
E trancafiada
Em cela esquecida.

Inerte e redundante
Em ciclos de ignorância,
Em noites de irrelevância
Eu sigo adiante.

Mas é abismo e cascalho
E é labirinto.
É um lamento falho

Que de mim sai sussinto
Quando me atrapalho
Quando nada mais sinto.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário