quinta-feira, 24 de maio de 2018

Voodoo de Grilo



Me encontro entre alfinetes:
Como é que me inspiro?
Não procuro mais tanta gente...
Me fizeram um voodoo de grilo.

Minhas 6 patas não mais as sinto,
E minhas antenas foram arrancadas.
Não resultará em coisa boa - pressinto;
O que acontecerá quando vier a madrugada?

Estou num retrocesso metamorfósico
Que de inseto estou virando humano,
Dotado de alma sem propósito
Revertendo o estilo kafkiano.

E agora tenho mãos tão estranhas
Que tocam pessoas, mas não me tocam
Por serem singularmente vazias
E assim meus interesses se chocam!

Me encontro entre gentes
E não me sinto nada tranquilo...
A vontade de fuga vem eloquente:
Me fizeram um voodoo de grilo.

Fabiano Favretto



domingo, 13 de maio de 2018

quarta-feira, 9 de maio de 2018

Sossego

Meu pé está gelado,
Também minhas mãos e braços.
Meu peito está gelado!
Estarei eu morto?
Ou estarei somente
Um tanto sossegado?

Fabiano Favretto

terça-feira, 8 de maio de 2018