domingo, 25 de novembro de 2018

Sobres de outubro

Hoje escreverei tudo
O que não escrevi em outubro:
Até pelo que eu me lembro,
Nada escrevi neste novembro.

Escreverei sobre os dias
Que foram adiados de minha vida:
Estes foram somente corridas
Onde de prêmio nada havia.

Escreverei sobre as lacunas de vida
Que diariamente se sucederam:
Tantas as lacunas se criaram,
Que com a morte já tenho dívida.

Escreverei sobre os domingos,
Doloridos em sua essência:
Tenho nestes dias abstinência
De amores e de amigos.

Escreverei sobre a febre
E também sobre a náusea:
Tenho em mim essa ânsia
De viver de modo nobre.

Escreverei sobre a chuva
E sobre a neblina madrugueira:
A água me cai como uma luva
E a neblina me faz pensar besteira.

Escreverei sobre o amor
E sobre outros folclores:
Nem todas as coroas são de flores
Nem todo ouro tem valor.

E ainda escreverei sobre a morte,
Que se faz hoje a minha amiga:
Não por ser da vida, a inversa sorte,
Mas por ser a barreira mais antiga.

Escreverei sobre a ausência,
Que no mês passado dissipou-se:
De repente emancipou-se
Mas em mim ainda manteve essência.

Escreverei sobre viagens e embaraços
Dentro e fora da cabeça:
Que nenhuma distância permaneça
Fora da distância de um abraço.

Mas agora escreverei sobre a sorte,
E a fortuna que nunca me foi concedida:
Toda felicidade a mim proibida,
Será retificada após a morte?

Escreverei também sobre os ais
E sobre os estados de minhas mãos:
Seriam marcas naturais
Cicatrizes que nunca curarão?

Escreverei mais sobre aquele outubro 
Que tanto me foi alheio:
Se esse mês não foi devaneio,
Neste verso a verdade descubro.

Escreverei sobre o whisky,
Que tem sido meu segundo sangue:
Vampiro, sede que não se estingue,
Alcoólatra, medo, imundície.

Escreverei sobre o cigarro,
Que tem me deixado doente:
Amarelas meus dentes,
Palavra "amor" é um escarro.

Escreverei sobre a gasolina,
Sobre a borracha e sobre o aço:
Tanta mobilidade, tanto pedaço
Por uma dose de adrenalina.

E finalmente escreverei sobre mim,
Que de eu mesmo nada disse:
Quem me dera eu me descobrisse
No caminho de um mês com melhor fim.

Fabiano Favretto


Nenhum comentário:

Postar um comentário