sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Abismos negros

Para Fabiane

Teus olhos tão negros
São também profundos,
E neles me afundo
Em busca de teus segredos.

Teus olhos são abismos,
Onde o chão não existe,
E se neles meus olhos persistem:
Caio caio em mil achismos.

Doravante, um infinito,
Em meio a este instante visual.
Me sinto tão finito

Pois não há imensidão
Com amor mais bonito,
Que faz de mim expropriação.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário