sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Remendos

Nesse corte de meu coração,
Foi mal assim o remendo,
Pois sinto-me morrendo
Cada vez mais perto do chão.

Nestes remendos cardíacos,
Escapam frequentes palpitações
Como o embalo de mil corações 
Em grandes desgovernos cínicos.

Porém sei que os pontos vão,
E a cicatriz é que fica
Não tem como eu dizer não

Pois o amor não se explica
Nem explica-se a razão
Da dor que aqui se aplica.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário