domingo, 21 de agosto de 2016

Da Terra a Marte

A cada hora que a noite avança
Menos tempo tenho de vida,
Pois é a cada segundo uma ida
Cuja volta não se terá lembrança.

E a falta que tua companhia faz
Equivale à distância da Terra a Marte.
Seria bonito e seria até Arte
Violar a cova deste coração que jaz

Friorento, seco e imóvel
Na tumba rasa do meu peito.
Tão rasa quanto improvável,

Tardio, frívolo, sórdido leito
Mas de ardor incomparável:
Meu coração veio com defeito?

Fabiano Favretto

http://astronomynow.com/wp-content/uploads/2014/12/Mars_globe3_940x400.jpg




Nenhum comentário:

Postar um comentário