quarta-feira, 29 de março de 2017

Teima

Hoje nenhum poema
Foi capaz de decifrar-me;
Tanto que precisei escrever-me
Para que eu mesmo me entenda.

Não que sejam poucas as palavras
Ou que os versos não rimem,
Mas como antes já não vivem
E minha língua nada mais lavra.

Fogo vivo, fogo fátuo
Mas meu peito não queima;
É feito de puro vácuo.

Mas ainda teima,
E escreve, de fato.
Então, onde amor reina?

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário