sábado, 23 de agosto de 2014

Noturno

As plantas noturas
Florescem em ar primaveril,
Aguardando a chegada
De um novo céu de anil.

Em noites quentes,
O aroma de flores surge,
Trazendo de maneira inconsequente
Uma lembrança que refulge.

Tal lembrança é certa
E nunca me deixa só.
Mas de que adianta lembrar
Algo que hoje é pó?

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário