sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Tango para as estrelas

Quando as tardes findam,
Findam logo sem penar.
Mas ainda deixam a saudade
E não voltam a buscar.
Ah, quando a tarde vai-se,
Na frieza a certeza esvai-se.
Mas as estrelas surgem
Com glória e lúmem.

E agora canto,
Este tango para as estrelas:
De onde o brilho e tanto,
Fazem das minhas virtudes 
Tão pequenas;
E agora canto,
Este tango para as estrelas:
De onde a saudade no entanto,
Faz de mim um amante
Repleto de incertezas.

Com esta noite presente,
E no peito este rancor,
Somo à minha alma ausente
A vontade desse amor.
Mas se as estrelas brilham,
As constelações advinham:
A minha sorte findada,
E minha dor resignada.

E agora canto,
Este tango para as estrelas:
De onde o brilho e tanto,
Fazem das minhas virtudes 
Tão pequenas;
E agora canto,
Este tango para as estrelas:
De onde a saudade no entanto,
Faz de mim um amante
Repleto de incertezas.

Mas se a noite passa
E a madrugada aparece,
Olho triste pela vidraça
A  última estrela que perece.
Se chega a madrugada,
Eu de alma machucada
Durmo esperando noite nova
D'onde a saudade se renova.

E agora canto,
Este tango para as estrelas:
De onde o brilho e tanto,
Fazem das minhas virtudes 
Tão pequenas;
E agora canto,
Este tango para as estrelas:
De onde a saudade no entanto,
Faz de mim um amante
Repleto de incertezas.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário