segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Tarde

O barco na tarde
Vagarosamente balança
Vagarosamente oscila
Vagarosamente avança
E vagarosamente desliza.

A cidade passa pela janela
E diminui sempre mais

A saudade pela janela adentra
E não me deixa jamais.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário