sábado, 22 de fevereiro de 2014

Período

Comprei uma ampulheta.
Quebrei-a
E ao vento espalhei
Toda a sua areia.

Comprei uma clepsidra.
Quebrei-a
Ao mar a levei
E a dei à uma sereia.

Comprei um relógio de pulso.
Quebrei-o
Não levei à lugar nenhum
Não havia mais tempo.

Fabiano Favretto

2 comentários:

  1. O tempo escorre de nossas mãos feito água ou então mais rápido que ela. Gostei da poesia, muito singela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O tempo que nos resta é o agora.
      Tão rápido chega e tão logo vai embora.
      Nada nos resta.

      Abraços,
      Fabiano Favretto

      Excluir