sábado, 1 de fevereiro de 2014

Estrela

Poder ter uma estrela,
E ao amanhecer
Perdê-la
Faz-me padecer.

Padeço pela noite
Com triste pensamento:
Faltou-me a sorte,
Restou -me o sofrimento.

Eu haverei de esquecer
O brilho que as estrelas possuem!
De minha mente irá desvanecer
A saudade dos sentimentos que iludem.

Mas não se enganem,
O céu ainda poderá brilhar
Mesmo que no coração fecundem
Desejos ocultos de querer-amar.

Eclipse estelar,
Astronauta sem nave espacial.
Como é triste o luar,
Correm lágrimas de sal.

O amanhecer torna-se
Não menos dolorido.
Se o dia não findasse,
O que haveria acontecido?

Chuva de meteoros,
E um desejo malíssimo.
Impactos sonoros,
A entropia em nível máximo.

Ah, galáxias!
Berço das constelações!
De que adiantam estrelas novas,
Estão fatigados os corações.

Estrela minha,
Vai-se embora, desapareça!
A vida em linha,
Seguirá sem que eu te esqueça.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário