segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

O trânsito

O trânsito, coluna vertebral de ferro,
O karma de meu fatídico dia-a-dia,
Me deixa desanimado, um prego,
Martelado na minha rotina fria.

O trânsito, faróis andrógenos,
Em filas quilométricas e ranzinzas.
Permeiam meu presente halogeneo
De viver mais uma segunda cinza.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário