segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

Balé das borboletas

No ar as borboletas
Em espiral declinam,
Com asas obsoletas
Que ao sol brilham.

Dançam em duplas,
Fogem sozinhas;
Bailam astutas,
Na brisa franzina.

Decolam ao céu
Aviões das flores,
E marcham ao léu
Sem dor nem amores.

O balé das borboletas
No teatro do jardim,
Entre rosas e violetas
Temo que chegue ao fim.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário