terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Pinturas eternas

Queria ser a luz do sol
A delinear seu rosto,
A brisa de outono
A tocar a sua pele.

Mas hoje o que sou:
Somente distância
E a vontade completa
De te abraçar.

Dias mágicos aparecem
E também vão embora.
Mas vi seus olhos olharem os meus,
E vi sorrisos surgirem.

Não esqueço de sua mão
Nem de seu abraço.
Como poderei viver
À mercê do espaço e tempo?

Dissestes que não gosta de sorrir,
Mas sua boca é pintura precisa
Nas telas perenes
De minhas profundas lembranças.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário