segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

Forca

Eu sou só o vácuo
Que nos ocos ossos habita.
Eu sou o frio receptáculo
Desprovido de fé e vida.

Eu sou o vazio sujo,
Eu sou a tristeza profana;
Eu sou corvo cujo
Parecer de morte declama.

Eu sou somente o pó
Jogado ao vento do norte.
Eu dou na corda o nó
Aceitando minha ingrata sorte.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário