quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

E até

E até o perfume perde o cheiro,
E até as flores perdem a cor.
E até o sambista perde o pandeiro,
E até o chocolate perde sabor.

E até a chuva vira arco iris,
E até o couro vira sapato.
E até a feia vira atriz,
E até o gato vira amigo do rato.

E até o dia se faz semana,
E até a noite se faz nublada.
E até de palha se faz cama
E até de trilha se faz estrada.

E até as palavras dizem algo,
E até os olhos dizem quietos.
E até os gagos dizem afagos,
E até os mudos dizem afetos.

Fabiano Favretto

4 comentários:

  1. Plantou-me um sorriso
    que eu colhi bem rápido na borda das entrelinhas
    bem na curva das covinhas

    E quem diria em plena quarta-feira
    Um sorriso entre parenteses
    Um olhar entre aspas

    "J" Muito bom, Fabiano

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E até um sorriso aparece,
      E até poesia é escrita.
      E até um teimoso amolece,
      E até agradece a visita.

      rsrs
      Muito grato, "J"!
      Mas seus versos são melhores :D

      Abraços,
      Fabiano Favretto

      Excluir
    2. Imagine
      É um prazer, meu amigo poeta.
      "J"

      Excluir
    3. O prazer é meu, minha cara. ^^

      Abraço.

      Excluir