segunda-feira, 16 de novembro de 2015

Mariposa

Voa a mariposa
Com suas asas de poeira,
Em movimentos espirais
Circunda a luz de tungstênio.
Busca redenção, delata a injustiça:
Quando lagarta,
Sonhava ser borboleta.

Fabiano Favretto

6 comentários:

  1. Lagarta tola
    pôs-se a sonhar em ser borboleta
    antes deveria sonhar em tornar ao casulo
    a voltar a roer pelas beiradas
    à segurança de sua feia amargura
    ou apenas a tornar a sonhar.
    "J"

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. No repouso de nossos sonos,
      Vivemos as metamorfoses dos sonhos.

      Fabiano Favretto

      Excluir
  2. Respostas
    1. Hey "J"
      Sinto falta de ler
      Seus textos elementares.

      Abraço,
      Fabiano Favretto

      Excluir
    2. Fico indo vindo feito oferenda rejeitada pelas forças das minhas marés revoltas, já bloqueei, excluí, apaguei tudo, rasguei, queimei, mas eu volto. E há um tempinho (segredo) voltei com o blog, está bloqueado à visitação funcionando mais como um refúgio da Jota. Obrigada pela sutileza, você é sempre tão gentil e também gosto muito dos seus poemas Fabiano, vejo muita coisa por aí, mas raríssimos poetas de verdade.
      "J"

      Excluir
    3. Entendo-te perfeitamente.
      Mas o que é refúgio individual pode às vezes
      Tornar-se abrigo comunitário. Ou não.
      Cá estou eu fora do abrigo na torcida pelo "sim",
      Pedindo de vez em quando
      Alguma sopa de letrinhas ;)

      Agradeço suas visitas e comentários.
      Perceber que não somente as estrelas leem meus poemas
      É algo muito gratificante.

      Até mais,
      ou até quando a maré resolva trazer-te para este canto.

      Abraços,
      Fabiano Favretto

      Excluir