quarta-feira, 23 de julho de 2014

Engenho

O engenho:
A doçura da cana.
O suor do escravo
Da pele derrama.

O produto final,
Dote de casamento.
Amargo afinal
Esta vida de sofrimento.

Mistura-se a garapa
Ao sangue do inocente
O pelourinho, o velho abraça
Por ser desobediente.

Manga com leite
Faz mal à saúde
Feijoada é deleite
Para quem não é rude.

Capoeira no terreno
Dança, luta e gingado.
O cansaço é pequeno
Perto do golpe acertado.

Mascavo
Cheiro de mel está no ar.
Aguardente com cravo.
Está o sinhô a cantar.

Senzala à noitinha,
Murmúrios finos ecoam.
Acende uma vela, "Mainha",
Para aqueles que já se foram.

Amanhece quente o dia,
Neste mês primaveril.
Assinaram carta d'alforria
Findando tempo febril.

Nunca houve maior felicidade
Do que este dia no engenho.
Festejam todos pela igualdade
Olhando o passado com desdenho.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário