segunda-feira, 29 de julho de 2013

Silhueta

As luzes ofuscavam meus olhos,
Mas sua silhueta ainda era visível.
Seus contornos oscilantes ao vento
Pareciam fundir-se à tênue brisa da primavera.

É doce esse mistério:
Acreditar em verdades impossíveis
E imaginar um rosto,
De que somente silhueta
Fez-se essência.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário