sábado, 21 de janeiro de 2017

Nunca ditas

Um minuto de amor
É melhor que uma vida de solidão.
Queria sentir seu perfume,
Mas lembrei que tu não usava.
Seu cheiro ficou impregnado
Em meu abraço. (?!)

Abraço apertado foi meu remédio para noite,
E fez minha semana valer a pena.
Mas como dizer que era ela
Talvez a pequena
Causa de minha indecisa felicidade?

Quando dei um último abraço,
Nossas cabeças se aproximaram
Por um instante,
Mas os olhos talvez
Não se cruzaram.
Não me lembro.

Mas me lembro
Da exasperação e da fraqueza
Não sei se foi efeito do vinho,
Ou algo mais.

Vou colocar a culpa,
E vou dizer,
Que o Diabo está na ausência
Das palavras nunca ditas.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário