quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

Ansiedade

Fruto do tempo vagaroso,
És o martírio dos desesperados,
Que com gestos, sons afobados
Caem em furor vertiginoso.

Qual mãe das mais graves úlceras,
É a causadora de toda minha insanidade;
Pois a cabeça, baú da calamidade
Transforma-se na mais inútil das víceras.

Do amor tem-se feito dura inimiga,
E os corações, afligido aos montes.
Mas quem vence todas as brigas,

E ao final corre e pula das pontes?
Quem entoará as velhas cantigas
Esperando a resposta da fonte?

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário