domingo, 27 de novembro de 2016

Depois das 18

É essa previsão que me assusta,
Sentir o domingo perdido.
Apesar de ter o dia corrido
Com alegria e tristeza em permuta.

Mas assim que chego às 18,
O coração, apertado cofre,
E sem proteção ainda sofre.
Parece tão vazio e louco...

E se sonhasse com seus olhos
E se vivesse em tua boca,
Não me importaria com os outros...

Minha alegria agora é pouca,
E as lembranças se tornaram vultos.
O mundo talvez dê mais uma volta.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário