domingo, 27 de novembro de 2016

Crânio de Cristal

Saberás que é para você
Pois tens meu crânio de cristal,
E alguns sonetos que escrevi.
Saberás, porque ouvia os sinos soarem.
E de teu mistério, tive medo fatal.
Há quatro anos sequer vivi.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário