sábado, 10 de agosto de 2013

Batida

Eis que um velho conhecido
Hoje bateu à minha porta.
Já havia o dia entardecido
Naquela ruazinha torta.

Entre uivos e batidas
Lembrava-me com tom zombeteiro
As tantas frias noites
De sofrimento verdadeiro.

Mas passando pelo buraquinho
Daquela imensa porta,
O vento fez-se caminho
E já entrava em minha aorta.

Vento vai-te logo
Entristecer outro coração!
O meu coração já é gelado,
Prefiro a solidão.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário