quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Diá(monó)logo distante

Tenho sede de conhecimento, 
Mas a fonte se faz distante.

Quando um gênio mede suas palavras
Em um diá(monó)logo co(ntra)m a minha pessoa,
Não entregando o ouro e regulando o alimento,
Subestimando a minha capacidade,
Julgando e condenando as minhas experiências,
Me irritando e desesperando,
Me causando fobia
De falar
Agir
Pensar,

Fico calado
Unindo meu silêncio
À voz dos tolos.

Ah, mas é um silêncio exterior!

Tenho sede de conhecimento, 
Mas a voz se faz distante.
Tenho sede de conhecimento, 
Mas a fonte se faz distante.
Tenho sede de conhecimento, 
Mas a coragem se faz distante.
Tenho sede de conhecimento, 
Mas me faço distante.
Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário