segunda-feira, 29 de junho de 2015

Seresta

Para Suelen:

Seresta, serenata
Esta que faço
Para a amada
Sem embaraço

Juntando os pontos,
Traçando retas
Tecendo contos
Para as bocas certas

Para que estas cantem
Os beijos do ar,
E para que beijem
Este duplo cantar

Das bocas entrecruzadas:
A minha e a sua,
Fazendo charadas
Para a cinza Lua

Que pálida vela
O nosso amor bonito
E que apenas ela
Nos mostre o finito,

O finito desta noite
Fria e que voa
E que o bravo açoite
Puna o vento que ressoa

Remediando a falta
Da tua presença perfeita
E conserta a ausência alta.
O coração se ajeita

Ao procurar seu nome
Nas estrelas do céu
Ao saciar minha fome
Dos seus beijos de mel.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário