sábado, 14 de abril de 2018

Soneto da vida vazia

Mais uma vez acabo
Numa noite sozinho,
E o som do vazio
É que me dará cabo.

Não tenho forças,
Não tenho esperança:
Não haverá mudança.
Haverão forcas?!

Não haverá madrugada
Não haverá noite ou dia,
Não haverá alvorada

Nessa vida vazia
Cheia de nada
Haverá poesia?

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário