terça-feira, 11 de agosto de 2015

Realismo

Meus olhos de plastico
Olham incessantes
A polidez deste mundo elástico
Superficial e entediante.

As vozes sintéticas e agudas gritam;
As paredes imundas rebatem
As infiltrações que úmidas brotam
Das rachaduras que tímidas latem.

Minha grande mão de metal
Está pesando mais para o cinismo
Do que para o mundo real.
Está tão chato este realismo!

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário