sexta-feira, 26 de abril de 2013

Cotovelo

Doia cotovelo
Todavia,
Todo o tempo,
Quando Olivia
Passeava
Em passo lento
Na avenida.

Berenice só ciumes
Eterno azedume
Cotovelo latejando
Quando Olivia vai passando
Deixando ao ar
O seu perfume.

Olivia coitadinha,
Nem sabia da inveja.
"Berenice" ela chamava
-"Te amo irmãzinha!"

Berenice se envergonha
E ciúmes já não tem.
Se tornou moça sensata
Não inveja mais ninguém.

Olivia só percebe com inveja
As qualidades da irmã.
Doía à tarde doía à noite.
Doía o cotovelo de manhã.

Berenice caminhava
Na avenida animada.
E Olivia em segredo
Na janela suspirava.
E com sua dor de cotovelo
À tarde em passo lento
Na avenida passeava.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário