terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Ignorado

Assim como eu,
Esta poesia será ignorada.
Não reclamo (talvez lá no fundo sim),
Fabrico estes versos.
Mas os forjo com uma ponta de tristeza.


Talvez não seja ignoração..
Talvez seja apenas ausência..
De seus olhos, de consideração??


Não, Não. Não!
Exerço ainda algo,
Parece importar-se,
Um pouco talvez..
Não muito. Quem sabe?
Insistente em deletar-me,
Busca supérfluos motivos
Para na eternidade desintegrar-me.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário