segunda-feira, 18 de março de 2013

E eu achei que teria chances.

Chances, chances. Chances! O que seria? O aumento da probabilidade de alguma coisa dar certo ou.. errado? Talvez a sorte mudando de lado, indecisa e cruel, como um equilibrista na corda bamba - não sabe se cai - ou onde cai. Um cabo de guerra de consequências inimagináveis.
Chances  não existiram e quem sabe não existirão, somente o sentimento de acreditar e ser desacreditado. Planos nem sempre são concretos e a bagagem às vezes precisa ser desfeita. Coloco a esperança em um cofre e o tranco a sete chaves, para que se um dia a sorte olhar para mim, eu a liberte e possa acreditar que realmente a chance possa existir. Enquanto isso, aguardo.

Fabiano Favretto

Nenhum comentário:

Postar um comentário