segunda-feira, 10 de junho de 2024

Impreciso

Como é que se escreve?

Não me lembro mais.

Da poesia não preciso

Impreciso.


Fabiano Favretto

sexta-feira, 5 de abril de 2024

Sempre estará lá

A arte é o derradeiro recurso.

Fabiano Favretto

Arcano

O segredo

Dos dutos

De ar


Fabiano Favretto

Me poupe

Meu único amigo é o banco,

Foi agora que me dei conta.

Com ele tenho algum crédito

E dele receberei cartas todo mês.

A ele emprestarei dinheiro,

Afinal aos bons amigos nada se nega.

Farei visitas regularmente e metodicamente 

Sem assim ser repreendido.

E ao final de meus dias

Haverei de deixar o legado deste vínculo

Di vida

À meus filhos e netos.


Fabiano Favretto

EQV

No feriado
Tive uma experiência
De quase vida.

Fabiano Favretto

Pétalas

De lírios noturnos

À margaridas aurorais,

Vou descamando pétalas

Devagar, até demais.


Fabiano Favretto

terça-feira, 12 de março de 2024

RespirAr

Grandes túneis nasais,
Séptos antes nunca explorados
Desvios nunca desejados
E fontes dos meus ais,

Há décadas tão intacta
Incólume parede mucosa
Junto à carne esponjosa
Agora não mais me maltrata.

Causador de desvios dentários,
Tanto ar devo ter digerido
Sem nunca antes ter percebido
Que em respirar fui tão precário.

Décadas de paredes latentes
Me afastavam de odores constantes,
Não eram essas, coisas tão importantes
Antes de saber respirar facilmente.

Esculpido como uma complexa ideia,
Retiraram de mim material crítico:
Meu desvio se sépto, antes tão onírico
Hoje desvenda-se em mim uma não-apinéia.

Tendo reestabelecido as vias aéreas
Algo que antes, tanto inédito
Era secreto, mal, nasal sépto
Agora faz chegar mais ar às artérias!

Os pontos que ainda restam
Não se tratam de pontos finais:
Haverão de deixar-me sinais,
Esse desfavor ainda me prestam.

Agora, exorcizando resquícios,
Estou a limpar pelas vias - de fato
Todo restante do que antes era mato:
Respiro como um verdadeiro exercício.

Fabiano Favretto