terça-feira, 12 de março de 2024

RespirAr

Grandes túneis nasais,
Séptos antes nunca explorados
Desvios nunca desejados
E fontes dos meus ais,

Há décadas tão intacta
Incólume parede mucosa
Junto à carne esponjosa
Agora não mais me maltrata.

Causador de desvios dentários,
Tanto ar devo ter digerido
Sem nunca antes ter percebido
Que em respirar fui tão precário.

Décadas de paredes latentes
Me afastavam de odores constantes,
Não eram essas, coisas tão importantes
Antes de saber respirar facilmente.

Esculpido como uma complexa ideia,
Retiraram de mim material crítico:
Meu desvio se sépto, antes tão onírico
Hoje desvenda-se em mim uma não-apinéia.

Tendo re-estabelecido as vias aéreas
Algo que antes, tanto inédito
Era secreto, mal, nasal sépto
Agora faz chegar mais ar às artérias!

Os pontos que ainda restam
Não se tratam de pontos finais:
Haverão de deixar-me sinais,
Esse desfavor ainda me prestam.

Agora, exorcizando resquícios,
Estou a limpar pelas vias - de fato
Todo restante do que antes era mato:
Respiro como um verdadeiro exercício.

Fabiano Favretto

segunda-feira, 11 de março de 2024

Ex-fumante

Há uma ironia na ausência
Que somente no vazio é traduzida:
Seja no jejum da existência
Ou da simples condição não existida.

Encontra-se no vácuo o sentido
Daquilo que esteve e não mais estará.
A fome, o prato nunca repetido
E a ânsia que viria e não virá.

Estava sendo enquanto alheio,
E seria-me mais, não estivesse ausente;
Não denota-me mais nada nesse meio:
A inexistência é o futuro do presente.

Fabiano Favretto

domingo, 10 de março de 2024

bicho

Tem um bicho me rondando,
Um bicho abelhudo:
Zumbindo em minha orelha,
Rápido passa voando.

Não dá tregua um minuto,
Que até me deu na telha
De sair o procurando
Mas sem fazer barulho.

Não sei se é abelha
Não sei se é marimbondo
Só sei que meu orgulho
Quer lhe dar um tombo

Fabiano Favretto