quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Do contra

Escolhi ser certinho
Só para ser do contra,
Porque da bagunça em mim
Já não dou mais conta.

Se do contra é ser certo,
É preciso dupla transgressão:
Ter que bancar o esperto
Seguindo o coração.

Fabiano Favretto

Denovo

Uma sensação eu tenho,
Mais do que cretina.
Eu chamaria Déjà vu
Se não soubesse que é rotina.

Fabiano Favretto

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Grave

Poesia, barco a deriva,
Ao sabor das letras a navegar.
A palavra tímida ao ressoar
No papel torna-se viva.

Na folha branca a pensar,
Encontra-se o lápis irrequieto.
E n'um verso quase arquiteto
Quase hesita em planejar

Este devaneio perfeito
Do grafite-folha-frase
Onde marinheiro eleito

Dono desta embarcação grave
Faz dos seus sonhos alento,
O findar puro de um entrave.

Fabiano Favretto

Feliz em dizer que com este poema ganhei o concurso da PUCPR "Revele seus poutros talentos" na classe Alumni. *---*

Ironia

Acordar em pleno horário de verão
Com um frio de gelar o coração.
Ironia maior que esta não há
Ou será que há?

Fabiano Favretto

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Aos poetas

Por aqueles que as palavras embalam
No ritmo doce das rimas que falam,
Tenho uma grandiosa admiração.
Já está vasto este meu coração

Morada do deleite que transborda
Ao apreciar as linhas de poesias alegres
Que ao papel, desnudas e entregues
Despertam ao passo que a alegria acorda.

Construtores de torres linguísticas,
Escultores de versos não-atrozes.
Velozes em suas características,

Vivam o mundo, poetas ferozes
Com suas almas artísticas
Embargando as nossas vozes.

Fabiano Favretto



Dia do poeta

Queria ser poeta,
Mas poeta não posso ser
Pois assim, sou meio pateta
Teimando em escrever.

Fabiano Favretto

E a aqueles que verdadeiramente poetas são:

Feliz dia do poeta!

Diabo de esperança!

O Diabo foi para a aula de matemática. Era dia de prova. Sentou-se na carteira à minha frente, como se fosse um aluno comum. Percebia eu, que ele sentia-se feliz com tal aula.

Na minha cabeça:
"Mas por que diabos o capiroto está tendo estas aulas de matemática? E na minha classe ainda.."

- Certa vez, disseste que estas aulas são o inferno! - Falou o capeta com um sorriso bobo.
- Mas foi sentido figurado! Apenas forma de expressão!- Respondi
- E por que tu não resolve estas expressões então?
- Porque não tive tempo de estudar.. Agora seja o que Deus quiser!

O tinhoso fez cara de desprezo, e numa labareda de fogo, sumiu. À minha frente nada mais restava além de uma prova em branco. Os ponteiros giravam e a prova continuava não resolvida. Minha falta de capacidade era o "x" da questão.
De repente, vejo uma luz. Um anjo senta na carteira à minha frente, antes ocupada pelo "coisa ruim". Acho que era a esperança. Falei baixinho:

- Passa cola!

O anjo balançando a cabeça em gesto de negação, me entregou um relógio despertador.

TRIIIIIIIIIIIIIIIIIM

O sinal de fim da aula toca. Não, era o despertador - 06:30 da manhã - dia de prova.

- Sonhei? Talvez dê tempo de estudar um pouco.. ô diabo de esperança!

Fabiano Favretto

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Inspiração

É nada,
E após.
E pois,
E (de)pois.
Depois?
Se foi!

Fabiano Favretto

Não, nem, nada e pois.

Não tenho escrito
Nem sequer descrito.
Nada eu tenho dito,
Pois estou circunscrito.


Fabiano Favretto

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Gif novela de uma segunda-feira

Corre o ritmo incessante e incontrolável,

Para este fogo interior poder surgir

Com uma taça de vinho, fluxo constante

E o tabaco sempre a me consumir.

Acende meu fogo, menina

Enquanto a vida lá fora segue artificial

E a  noite de segunda-feira não chega ao final.

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Caligrafia de Nuvem

Deus no céu
Escreveu o vento
Com caligrafia de nuvem.

Fabiano Favretto

Barbada

Qual a diferença que tem
De um poeta sem barba
Com um poeta barbado?
A diferença que me vem
São somente os pelos da cara
E algum texto borrado.

Fabiano Favretto

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

cores flores

Cores
Flores.
Ah!
Se fossem
Dores
Coloridas.

Fabiano Favretto

Chuva

Saí da sombra das marquises
Para abraçar a garoa.
Abandonei a frieza dos guarda-chuvas
E saí de alma lavada.

Fabiano Favretto