quarta-feira, 29 de julho de 2015

Simples e grande.

Tenho um amor simples.
Simples e grande.
Ele não tem muitos substantivos
E nem muitos adjetivos.
É um amor sincero.

O sujeito do amor sou eu
E o pretérito perfeito de amar
Se faz no presente.
Se faz quando ela está presente.

Não conjugo o verbo amar,
Mas o amor em si é conjugado
Constantemente.

Fabiano Favretto

Por enquanto

Mas enquanto
Por encanto,
Mais encanto 
Por enquanto.

Fabiano Favretto

Mais encanto

Uma flor sincera
Possui mais encanto
Que um buquê 
De rosas pragmáticas.

Fabiano Favretto

sábado, 25 de julho de 2015

Flagrante

Perfume:
Fragrância 
Flagrante
Do Crime
De te amar.

Fabiano Favretto

Abiogênese

Abiogênese a poesia surge
Do vácuo frio
As rimas reluzem
Toma vida verso tardio
Palavras que me iludem
Nascem no imenso vazio
Para neste papel morrerem.

Fabiano Favretto

quinta-feira, 23 de julho de 2015

Mundo da Lua

Ao perceber seu perfume,
Vou morar no mundo da Lua
Com meus pensamentos em vasto lume
E com o frio desta madrugada crua.

Fabiano Favretto

terça-feira, 21 de julho de 2015

Girafa

Pelo longo pescoço,
Singeleza demonstra.
Em alta classe o escopo,
Movimento apronta.

Nas quatro patas sustenta
Armação de ossos esbeltos
Dos quais estrutura ostenta
Padrão alto, traços corretos.

As cores em energia,
O marrom e o vivo amarelo.
Fazem desta pele, alegria
Igual a um quadro sincero.

O seu andar abrupto e orgânico
Como vento no alto das gardênias
Desmistifica o locomover mecânico
Do tempo nesta tarde do Quênia.

Fabiano Favretto

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Natureza

Para Suelen

O amor nada tem de profano,
E nada tem de baixeza.
O amor é até sobre-humano
Quando deste amor se tem certeza.

Neste alvorecer chamado amor
Criam-se riscos e espinhos.
Em meio aos espinhos nasce a flor,
E os riscos inexistem se houver carinho.

Amo-te de toda minha natureza,
Beijando-te como quando a onda chega à praia.
Te aconchego com delicadeza
Assim como a luz ama a terra onde o Sol raia.

Fabiano Favretto

terça-feira, 14 de julho de 2015

Solo

Porem veio o amor como chuva e  tornou fértil o árido terreno de meu coração.

Fabiano Favretto

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Penso

Eu, antes cor,
Agora existo.

Fabiano Favretto

Expirar

É você a minha inspiração,
É todo o meu ar:
Determina minha respiração.
Quando estou a expirar,
Você faz bater meu coração.

Fabiano Favretto

sábado, 11 de julho de 2015

seis meses

Crepúsculo de sexta feira na gelada capital paranaense. Caminhando por ruas encharcadas e de marquises irregulares, atravessei a distância de seis meses.
Recordei das diversas vezes quando andei por aquelas ruas - seis meses.
Durante o trajeto chovia. Era uma chuva rápida e chata, até ouvir o estrondo do primeiro trovão, o qual trouxe dramaticidade àquela noite - seis meses.
A inquisição me aguardava. Não era santa nem profana. Era laica, completamente imparcial até mesmo à minha vontade de ir pra casa - seis mesess.
Provaria à mim mesmo se era capaz de não perder todo aquele tempo - seis meses.
Ao menos chovia e a fogueira da culpa não poderia ficar acesa - seis meses.
Em uma noite chuvosa seria decidido tudo o que havia passado - durante seis meses..

Fabiano Favretto

quarta-feira, 8 de julho de 2015

terça-feira, 7 de julho de 2015

Nem papel, nem caneta.

Quero escrever no teu corpo;
Não com tinta,
Mas sim com amor.

Não preciso de papel
Nem caneta.
Preciso de sua pele
Junto à minha.

Faremos dos movimentos os versos
De nossa respiração as rimas;
Faremos de nosso calor o tema
Dessa nossa pela poesia.

Fabiano Favretto

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Fugido

A poesia tem me fugido.
E neste meio tempo,
Escrever eu só tenho fingido.

Fabiano Favretto