quinta-feira, 30 de maio de 2013

Chaleira

Chaleira de ferro
No fogão à lenha
Ferve e transborda
Pingando na chapa:
"Chick Chick Chick"

Chaleira de vaquinha
No fogão à gás
Demora a esquentar.
Ferve e apita:
"Kitsch Kitsch Kitsch"

Fabiano Favretto

Medo

Abro a janela,
Mas assunto eu não tenho.
Será medo de não saber falar,
Ou será medo de você?

Fabiano Favretto

terça-feira, 28 de maio de 2013

domingo, 26 de maio de 2013

Francamente eu digo:

Em um domingo à noite
Prefiro bem mais escrever um poema
Do que uma página de TCC.

                                                                                                      Fabiano Favretto

sábado, 25 de maio de 2013

Ganhei a noite.

Mas o dia foi perdido.
(Pelo menos teve vinho).

                                                             Fabiano Favretto

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Desapontado

O menino quis desenhar,
Mas a ponta do lápis
Estava quebrada.
Logo, desistiu.

Pobre garoto:
Ainda não conhece a existência
De apontadores e canetas.
O lápis ficou desapontado...

...Ou seria o menino?

Fabiano Favretto

domingo, 19 de maio de 2013

Livro usado

Leia livros usados,
Eles contam sempre histórias a mais 
Do que as simples palavras
Que foram redigidas.

Sinta o cheiro!
Mistura de fragrâncias.
Odor de acontecimentos.

E quem sabe,
Na última página
Você encontre:
Uma assinatura tímida.
Uma dedicação sincera.

Folheie as páginas
E sinta o vento suave.
Conte ao livro sua história
E não tenha dó de usá-lo.
Deguste sem moderação.

Fabiano Favretto

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Peso nas costas.

"Dia 135. Meus mantimentos já estão no fim. Resta somente uma lata de ensopado de feijão, um pedaço de pão com bolor e uma lata de atum. Água potável é item de luxo.
Sinto saudades do tempo em que tinha uma família, um emprego, um cachorro. Porque tudo foi perdido? Por que me encontro nessa situação? Todo dia carrego minha espingarda com o único cartucho restante e aponto para minha cabeça. Situação difícil. É estranho pensar que sou o último sobrevivente deste planeta condenado.
O que não me deixa puxar o gatilho é o peso em minhas costas. Tanta coisa que eu fiz. Tanta coisa deixei de fazer. Ver todos serem contaminados por aquele vírus me dão pesadelos. Sei que se eu não contar o que sinto, não descansarei em paz.
Minhas últimas esperanças acabaram quando descobri que a última brigada de sobreviventes foi atacada pelos zombies.. sim, os zombies. Amigos, família, conhecidos. Todos!
Se houver algum sobrevivente, espero que leia esse diário e entenda todo o sofrimento que passei. Espero não ter sido tudo em vão. Adeus.

Ass: Johnie Francesco."

Johnie engatilha sua arma e aponta para a própria cabeça. Uma lágrima cai e se mistura ao sangue de seu abdômem perfurado. Ele parece ouvir vozes. É tarde.

POW!!

Johnie gargalha quando gasta sua última bala em um cachorro zombie, mas logo fica sério e observa concentrado a aproximação de zombies em sua direção.
Repentinamente os zombies são liquidados à tiros. Johnie se surpreende. Finalmente terá alguém para compartilhar os seus medos.

"Ps: Guarde sempre a última bala para o cão!"

Fabiano Favretto

Homem-bomba

Noticiário explosivo
Em rotineiras manchetes
Sem causa aparente,
Um homem-bomba explodiu.

Parece trivialidade
A vida não vale um centavo
Ninguém se surpreende
Somente ignoram 
Que um homem-bomba explodiu.

Egoísmo e inocentes
Vidas sem rotas.. e sem voltas.
Suicídio aparente.
Um homem-bomba explodiu.

Mas nos olhos das crianças
O brilho envolto de esperança
De que haja paz
De que haja amor
De que haja vida.
De que o homem-bomba 
Desista de se explodir.

Fabiano Favretto

segunda-feira, 13 de maio de 2013

quinta-feira, 9 de maio de 2013

Das Utopias


Se as coisas são inatingíveis... ora!
Não é motivo para não querê-las...
Que tristes os caminhos, se não fora
A presença distante das estrelas!

Mario Quintana

sábado, 4 de maio de 2013

Rugas

   Rugas: discriminadas linhas de experiência, tachadas como vergonhosas e inoportunas, feias e injustas. Para que esticar a pele, aplicar botox e demais produtos químicos para esconder marcas tão naturais?
   Somente vejo em cada linha uma experiência vivida, uma fase passada, uma dificuldade vencida, um obstáculo transpassado. Pessoas vão adquirindo rugas à medida que envelhecem. Por que tornar isso motivo de vergonha? Quem disse que ter rugas te deixa mais feio? Ter rugas é sinal de experiência de vida, de encarar os desafios encontrados pelo caminho.
   Não evitarei rugas. Não seguirei padrões futilmente estabelecidos por pessoas que não conheço, e que buscam determinar o que é ou o que não é  belo, sobre qual o tipo de pele que um ser humano deve ter. Seguirei o curso natural estabelecido por meu corpo. Encararei cada linha em meu corpo como uma experiência vivida e como uma lição aprendida, aceitando com paciência a chegada da velhice.
   Quando me tornar idoso, quero olhar no espelho tocar o meu rosto e me orgulhar por poder sentir o quanto mais vivo me tornei. Quero sentir a textura de cada linha de experiência que surgiu em meu rosto. Quem sabe quantas experiências viverei e quantas coisas ainda aprenderei? Quero ter muitas rugas.



Fabiano Favretto